sexta-feira, 25 de maio de 2012

A RESPONSABILIDADE DE TER ACESSO À EDUCAÇÃO QUANDO A MAIORIA DO PAÍS NÃO TEM

Em 1995 o escritor português José Saramago presenteou o mundo com uma obra prima, o livro “O ensaio sobre a cegueira”. Nele, um homem perde a visão, repentinamente no trânsito e na sequência todos também vão ficando cegos e sendo postos em quarentena em um ambiente de humilhação e degradação humana. O próprio Saramago fala a respeito de sua obra: "Este é um livro francamente terrível com o qual eu quero que o leitor sofra tanto quanto eu sofri ao escrevê-lo”. Apenas uma mulher, misteriosamente manterá a sua visão, enfrentando todos os horrores que se apresentarão. É interessante que José Saramago não faz a distinção de personagens pelos seus nomes, mas sim pelas suas características, como: o primeiro cego, a mulher do primeiro cego, o médico, a mulher do médico (a única que vê), a rapariga dos óculos escuros, o velho com a venda no olho, o rapazinho estrábico. O escritor ganhou o Prêmio Nobel de literatura no ano de 1998 por esta história fanstástica (mas nada fantasiosa).
Quando escreveu a frase: “A responsabilidade de ter olhos quando os outros os perderam”, certamente Saramago sabia que ela se aplicaria a muitas situações da vida e uma delas, podemos dizer, é a Educação brasileira.
Dados mostram que 82% da população brasileira de mais de 5 anos de idade tem um ou mais anos de escolarização, mas somente 41% vai além dos quatro primeiros anos de educação básica, que correspondem ao antigo curso primário. 18% completam o curso básico de 8 anos, e somente 0,6% concluem a educação secundária. Reflitam bem este número. Ele quer dizer que a cada cem estudantes que iniciam a escola, menos de um, isso mesmo, menos de um termina o ensino secundário. E o analfabetismo absoluto, ainda existente sobretudo nas camadas mais pobres da zona rural e entre pessoas mais velhas. Quanto ao ensino superior, somente 10% dos alunos da faixa etária condizente com este nível consegue entrar em algum tipo de estabelecimento de ensino superior. É neste pequeno número, nesta parte mais fina do funil, que estou incluída. E também todos os universitários. Incluindo os meus alunos. Ouviram (leram bem)? Vocês são “aqueles que têm olhos, quando todos os perderam”. Portanto, ter a chance de ingressar e concluir um curso de nível superior não é um privilégio. É uma responsabilidade. É sua responsabilidade enxergar, ver, não se omitir aos desmandos dos poderosos e dos políticos. É sua responsabilidade não fechar os olhos aos problemas sociais do nosso país e do mundo. Não fechar os olhos para aqueles que sofrem, para aqueles que lutam com muita dificuldade para sobreviver. É sua responsabilidade garantir que no futuro, outros e em número maior tenham a chance que você está tendo agora. É sua responsabilidade ser alguém melhor para o mundo. Lembre-se disso, e daqui alguns poucos ou muitos dias quando você subir os degraus da sua formatura para pegar seu tão sonhado diploma será o responsável por conduzir pela mão uma fila de milhares de brasileiros, por ser o único que tem olhos.
Dados Científicos por: Simon Schwartzman, Eunice Ribeiro Durham e José Goldemberg. A Educação no Brasil em uma perspectiva de transformação - Universidade de São Paulo, 1993.
http://www.schwartzman.org.br/simon/transform.htm


Nenhum comentário:

Postar um comentário